Artigos online

AYOUB, CRISTIANE N. A., “Agostinho e a iluminação trinitária”, Archai, São Paulo, 2011, 7, pp. 11-29.

BARROS, MARCO ANTONIO L. L., “Guilherme de Ockham e o direito subjetivo”, Anais do XXI Encontro Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Direito, Uberlândia, 2012, p. 10.695-10.710.

BERTI, ENRICO, “La classificazione aristotelica delle scienze in Pietro d’Abano”, Transformação, São Paulo, 37, 2014, pp. 17-32.

BERTELLONI, FRANCISCO, “Algunas reinterpretaciones de la causalidad final aristotélica en la teoría política medieval”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 343-371.

BERTELLONI, FRANCISCO, “‘Natura multipliciter dicitur’. Variantes en el uso del concepto de ‘natura’ en la teoría política medieval a partir de la segunda mitad del siglo XIII”, Scripta mediaevalia, Mendoza, 2011, 4, 2, pp. 11-30.

BERTELLONI, FRANCISCO, “La crisis de la monarquía papal mediante un modelo causal ascendente: Juan de París, De regia potestate e papali”, Veritas, Porto Alegre, 2006, 51, 3, pp. 49-66.

BERTELLONI, FRANCISCO, “La filosofía explica la Revelación. Sobre el ‘averroismo político’ en el Defensor pacis de Marsilio de Padua”, Educação e Filosofia, Uberlândia, 2011, 25, (50), pp. 475-500.

BERTELLONI, FRANCISCO, “Las pasiones en la teoría política medieval. Tomás de Aquino, Dante y Marsilio de Padua”, Cauriensia, Cáceres, 2012, 7, pp. 55-70.

BERTELLONI, FRANCISCO, “Los estudios sobre el pensamiento político medieval en el último siglo”, Mediaevalia: Textos e Estudos, Porto, 1992, 2, pp. 7-34.

BERTELLONI, FRANCISCO, “O resultado do conhecimento no segundo comentário de Boécio à Isagogé de Porfírio”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 351-376.

BERTELLONI, FRANCISCO, “Una resignificación protomoderna del Estado (= ‘regnum’) en el tratado De potestate regia et papali de Juan Quidort de París”, Scripta mediaevalia, Mendoza, 2009, 2, 2, pp. 55-84.

BERTELLONI, FRANCISCO, y CRESPO, RICARDO F., “Nota sobre la naturaleza ‘política’ de ‘lo económico’ para Aristoteles”, Philosophia, Mendoza, 2013, 73, 1, pp. 103-10.

BIARD, JOËL, “Diversité des fonctions et unité de l’âme dans la psychologie aristotélicienne (XIVe-XVIe siècles)”, Vivarium, Leiden, 2008, XLVI, pp. 342-367.

BIARD, JOËL, “L’unité du monde selon Guillaume d’Ockham”, Vivarium, Leiden, 1984, XXII, pp. 63-83.

BRENET, JEAN-BAPTISTE, “A minha ideia: aquisição e atribuição no pensamento de Averróis”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 329-350.

BUFFON, VALERIA, “Aristóteles políglota. Particularidades del vocabulario técnico aristotélico según algunas traducciones medievales de la Metafísica y la Ética Nicomáquea”, El Hilo de la Fabula, Santa Fe, 2015, 15, pp. 154-171.

BUFFON, VALERIA, “Omnia appetunt bonum: l’interprétation de la Lectvra cvm qvestionibvs in Ethicam Nouam et Veterem du Pseudo-Johannes Peckham”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 137-163.

CALIXTO, PEDRO, “A ética como articulação da bondade e da vontade do humano e do divino no pensamento de Agostinho”, Ética e Filosofia Política, Juíz de Fora, 2015, 18, 1, pp. 176-195.

CALIXTO, PEDRO, “La sémantique propositionnelle in divinis chez Alain de Lille”, Revue des sciences philosophiques et théologiques, Paris, 2007, XCI, 1, pp. 23-37.

CARDOSO, CLÉVER, “Análise do parágrafo 16 do L. VII das Confissões de Santo Agostinho”, Humanidades em Diálogo, São Paulo, 2013, IV, pp. 141-154.

CASTELLO DUBRA, JULIO A., “La predicación de los atributos divinos en Tomás de Aquino”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 89-107.

CASTELLO DUBRA, JULIO A., “La significación política del concepto de justicia en Marsilio de Padua”, Princípios, Natal, 2002, 9, 11-12, pp. 179-202.

CASTELLO DUBRA, JULIO A., “Necessidade e contingência do efeito da causa primeira: uma comparação entre Tomás de Aquino e Avicena”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 69-94.

CASTELLO DUBRA, JULIO A., “Ontología y gnoseología en la Logica ingredientibus de Pedro Abelardo”, Anales del seminario de historia de la filosofía, Madrid, 2004, 21, pp. 43-60.

CASTELLO DUBRA, JULIO A., “Tomás de Aquino y la teología positiva”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. 109-136.

COSTA, LESSANDRO R., “O argumento único de Anselmo”, Primeiros Escritos, São Paulo, 2009, 1, pp. 153-167.

COSTA, LESSANDRO R., “Pedro Damião e a dialética”, Philósophos, Goiânia, 2015, 20, 2, pp. 111-133.

CÔTÉ, ANTOINE, e ZACHIA, EDUARDO, “Tomás de Aquino e o problema das ideias divinas de coisas singulares”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 41-68.

CRISTOFOLETTI, FABRÍCIO K., “A reflexão sobre Deus na discussão dialética do De ordine de Agostinho de Hipona”, Anais do Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2012, pp. 194-202.

CRISTOFOLETTI, FABRÍCIO K., “O caput religionis no De uera religione de Agostinho de Hipona”, Anais do Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2015, 11, pp. 92-104.

CUSTÓDIO, MÁRCIO A. DAMIN, “A interação entre a forma e a matéria em Tomás de Aquino e as interações do sistema cartesiano”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 173-189.

CUSTÓDIO, MÁRCIO A. DAMIN, “Representação matemática e crítica às teorias indivisibilistas em Thomas Bradwardine”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 457-491.

CUSTÓDIO, SUELI S. DAMIN, “A organização política no século XIV segundo o Tratado sobre a moeda de Nicole Oresme”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 239-252.

CUSTÓDIO, MÁRCIO A. D., e CUSTÓDIO, SUELI S. D., “O valor da moeda em Oresme e Copérnico”, Scientiae studia, São Paulo, 2015, 13, 4, pp. 731-757.

ESTÊVÃO, JOSÉ CARLOS, “Afinal, para que serve a Filosofia Medieval?”, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, 2012, 17, pp. 13-30.

ESTÊVÃO, JOSÉ CARLOS, “Fiat voluntas tua! Vício e pecado na ética de Abelardo”, Transformação, São Paulo, 1989, 12, pp. 85-96.

ESTÊVÃO, JOSÉ CARLOS, “Guilherme de Ockham e a ruptura da tradição política medieval”, Em curso, Revista da Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2014, I, pp. 5-27.

ÉVORA, FÁTIMA, “A crítica de Filopono de Alexandria à tese aristotélica da eternidade do mundo”, Analytica, Rio de Janeiro, 2003, 7, 1, pp. 15-47.

ÉVORA, FÁTIMA, “Filopono de Alexandria e a crítica ao conceito de matéria prima”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2000, s. 3, 10, 1, pp. 55-76.

FERNÁNDEZ, CAROLINA J., “Contingência e necessidade na causalidade externa segundo Ockham: argumentos para revisar a interpretação dominante”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 113-135.

FERNÁNDEZ, CAROLINA J., “Guilherme de Ockham: contra a Ideia como exemplar”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 183-206.

FERNÁNDEZ, CAROLINA J., “Iusnaturalismo, voluntarismo, derechos subjetivos y otros problemas de la Opera politica de Ockham”, Anuario Filosófico, Pamplona, 2008, 41, 1, pp. 139-154.

FERNÁNDEZ, CAROLINA J., “Lógica ockhamista, lógica antiockhamista: principales cuestiones en controversia”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. 35-61.

Filosofia Medieval. XVI Encontro da ANPOF. São Paulo, ANPOF, 2015.

FLECK, FERNANDO, “Causalidade e mal”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 373-387.

FLECK, FERNANDO, “O problema dos nomes divinos”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 1, pp. 123-135.

FRENKEL, LUISE MARION, “Narrativas de unanimidade e diálogo em protocolos sinodais e hagiografias tardo-antigas”, Letras Clássicas, São Paulo, 2013, 17, 1, pp. 84-96.

GRELLARD, CRISTOPHE, “Do arquétipo à ficção: a ambivalência da ideia em João de Salisbury”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 45-70.

GRELLARD, CRISTOPHE, “Do evidente ao provável. As modalidades do assentimento segundo Pedro de Ailly”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 1, pp. 39-65.

GRELLARD, CRISTOPHE, “Evidência ou probabilidade? Os debates acerca da justificação da indução no Século XIV”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 411-434.

GRELLARD, CRISTOPHE, “Fides sive credulitas le problème de l’assentiment chez Abélard, entre logique et psychologie”, Archives d’histoire doctrinale et littéraire du Moyen Âge, Paris, 2003, 70, 1, pp. 7-25. 

GUERIZOLI, RODRIGO, “A ideia de ‘causa sui’ no contexto filosófico medieval Tomás de Aquino e Mestre Eckhart”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 389-409.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Composição natural e composição definicional: Tomás de Aquino e Duns Scotus leitores de Z 12” in Silva, Marco Aurélio O., org., Linguagem e verdade na Filosofia Medieval. Salvador, Quarteto, 2013, pp. 129-142.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Duns Scotus, escotistas e o debate em torno à extensão predicativa in quid da noção de ente no Século XIV”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 7-23.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Guilherme de Ockham e os poderes causais das cognições intuitivas”, Analytica, Rio de Janeiro, 2013, 17, 2, pp. 181-198.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Hilemorfismo, essência e definição: acordos e desacordos do debate medieval”, Analytica, Rio de Janeiro, 2012, 16, 1-2, pp. 67-84.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Ockham e a função da abstração”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. 137-159.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Mestre Eckhart: misticismo ou ‘aristotelismo ético’?”, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, 2008, 11, pp. 57-81.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Pleasure and knowledge in John Buridan’s solution to the debate over the extension of the aristotelian supreme good” in Porro, P., and Sturlese, I., eds., Pleasures of knowledge. SIEPM, XIII, 2012. Quaestio, 15. Turnholt, Brepols, 2015, pp. 711-720.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Polissemia e rigor: Tomás de Aquino e o método interpretativo escolástico (Suma Teológica, I, qu. 1)”, Síntese, Belo Horizonte, 1999, 26 (86), pp. 307-330.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Sobre a necessidade e os limites da metafísica em Duns Scotus”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 95-111.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Sobre a possibilitação noética da felicidade: uma aproximação sistemática entre Duns Scotus e Mestre Eckhart”, Veritas, Porto Alegre, 2005, 50, 3, pp. 109-116.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Sobre a refundação tardomedieval da metafísica. Os motivos de Henrique de Gand”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 207-236.

GUERIZOLI, RODRIGO, “Univocidade e predicação no século XIV: João Duns Scotus e Pedro Thomae”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 165-182.

GUERIZOLI, RODRIGO, and HAMELIN, GUY, eds., Medieval Logic. A special issue of Logica Universalis. Vol. 9, 2, June 2015.

GUERRERO, MARKOS K., “A noção de significação indeterminada”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 109-135.

HAMELIN, GUY, “As fontes aristotélicas e estoicas em Abelardo: a noção de consentimento (consensussunkatathesis)”, Veritas, Porto Alegre, 2010, 55, 2, pp. 176-193.

HAMELIN, GUY, “As fontes da psicologia abelardina”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 287-308.

HAMELIN, GUY, "Habitus e virtude em Pedro Abelardo: uma dupla herança”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 75-94.

HAMELIN, GUY, "Influência estoica na concepção de status e dictum como quasi res (ὡσανεì τινά) em Aberlardo”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. 63-88.

HAMELIN, GUY, “Predicação e verbo substantivo em Abelardo”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 45-63.

HAMELIN, GUY, “Vontade (boulesis) e consentimento (sunkatathesis) em Aristóteles e Abelardo: atos do apetite (orexis) ou da razão (logos)?”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 23-39.

HAMELIN, GUY, e MAIA, DANILO, “Signum, significatio e intellectus em Pedro Abelardo e Guilherme de Ockham”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2011, s. 3, 21, 2, pp. 373-416.

JAKUBECKI, NATALIA, “Un nuevo enfoque hermenéutico para el Dialogus abelardiano”, Revista Chilena de Estudios Medievales, Santiago, 2015, 7, pp. 49-66.

KOCH, ISABELLE, “Augustin et l’usage du monde”, Cahiers philosophiques, Paris, 2010, 122, 3, pp. 21-42.

KOCH, ISABELLE, “Explicação causal e interpretação dos signos segundo os estóicos”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 281-312.

KOCH, ISABELLE, “O tema do Deus sem ciúme: da aphthonia grega à non invidentia agostiniana”, Discurso, São Paulo, 32, 2001, pp. 49-70.

KOCH, ISABELLE, “Sobre a definição agostiniana de crença”, Síntese, Belo Horizonte, 2015, 42, 132, pp. 15-24.

KOCH, ISABELLE, “Sobre o conceito de voluntas em Agostinho”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 71-94.

LANDIM FILHO, RAUL, “Predicação e Juízo em Tomás de Aquino”, Kriterion, Belo Horizonte, nº 113, Jun/2006, p. 27-49.

LANDIM FILHO, RAUL, “A questão dos universais segundo a teoria tomista da abstração”. Analytica, Rio de Janeiro, 2008, vol. 12, nº 2, p. 11-33.

LANDIM FILHO, RAUL, “Conceito e objeto em Tomás de Aquino”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 65-88.

LANDIM FILHO, RAUL, “Tomás de Aquino: realista direto?Analytica, Rio de Janeiro, 2011, vol. 15, nº 2, p. 13-38.

LANDIM FILHO, RAUL, “Do real ao singular pela mediação do universal”. Analytica, Rio de Janeiro, 2013, vol. 17, nº 2, p. 199-220.

LANDIM FILHO, RAUL, “Ideia, ser objetivo e realidade objetiva nas Meditações de Descartes”. Kriterion, Belo Horizonte, nº 130, dez./2014, p. 669-690.

LAZARINI, RICHARD, “A teoria da linguagem em Tomás de Aquino”, Anais do Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2015, 11, pp. 292-303.

LIMA, ARTHUR KLIK, “Averróis e a questão do intelecto material no Grande Comentário ao de anima de Aristóteles, livro III, comentário 5”, Intuitio, Porto Alegre, 2012, 5, 2, pp. 120-139.

LOBO, LÚCIO, S., “Tomás de Aquino e os atributos divinos”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. pp. 89-108.

MAMMÌ, LORENZO, “A notação gregoriana: gênese e significado”, Revista de Música, São Paulo, 1999, 9-10, pp. 21-51.

MAMMÌ, LORENZO, “Canticum novum. Música sem palavras e palavras sem som no pensamento de Santo Agostinho”, Estudos Avançados, São Paulo, 2000, XIV, 38, pp. 347-366.

MIATELLO, ANDRÉ L. P., “A realeza cristã em Vicente de Beauvais (Séc. XIII)”, Olhar, São Carlos, 2013, 28, pp. 25-39.

MITALAITÉ, KRISTINA, “Entre persona et natura. La notion de personne durant le Haut Moyen Âge”, Revue des sciences philosophiques et théologiques, Paris, 2005, LXXXIX, 3, pp. 459-484.

MOLINARI, JONATHAN, “As leis do cosmos e a liberdade do homem: Giovanni Pico della Mirandola e Leon Battista Alberti”, Cosmos & Contexto, Rio de Janeiro, 2015, 27.

MOLINARI, JONATHAN, “Collaborative paradigm e pratica della complessità. Sulla nuova edizione inglese dell’Oratio pichiana”, Dianoia, Bologna, 2014, 19, pp. 339-347.

MOLINARI, JÚLIA, “Entidades irreais em Guilherme de Ockham: sobre uma interpretação de M. M. Adams”, Em curso, Revista da Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2015, 2, pp. 1-12.

MOLINARI, JÚLIA, “Sobre a função do ‘signo natural’ na lógica ockhamiana”. Em curso, Revista da Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2016, 3, pp. 1-10.

NASCIMENTO, CARLOS ARTHUR R., “Avicena, Tomás de Aquino e Duns Scot”, Cognitio, São Paulo, 2005, 6, pp. 57-60.

NASCIMENTO, CARLOS ARTHUR R., “O caminho intermediário: alguns limites do conhecimento intelectual humano segundo Tomás de Aquino”, Transformação, São Paulo, 1996, 19, 1,  pp. 205-210.

NOVAES, MOACYR, “Interioridade e inspeção do espírito na filosofia agostiniana: melius quod interius (Confissões X vi 9)”, Analytica, Rio de Janeiro, 2003, 7, 1, pp. 97-112.

NOVAES, MOACYR, “Eternidade em Agostinho, interioridade sem sujeito”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 1, pp. 93-121.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, Tomás de Aquino e a filosofia. Centro de Apoio à Educação a Distância da Universidade Federal de Lavras. Lavras, UFLA, 2013. 93 p.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, “Entre Aristóteles e a fé: Guilherme de Ockham e a determinação da verdade nas proposições sobre o futuro contingente”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 137-169.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, “Ideias: formas, rationes e species. A Quaestio de ideis de Tomás de Aquino”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 95-122.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, “Ockham leitor da Política de Aristóteles”, Olhar, São Carlos, 2013, 28, pp. 40-63.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, "Sobre algumas interpretações das relações entre a filosofia ockhaminan e a física dos modernos", Transformação, São Paulo, 2011, 34, pp. 69-88.

OLIVEIRA, CARLOS EDUARDO, “Uma teoria dos signos e das afecções: Guilherme de Ockham e os fundamentos da crítica à teoria das species”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 195-225.

OLIVEIRA, ELIAKIM FERREIRA, “Uma reflexão sobre a história da filosofia a partir da historiografia da filosofia medieval: entre a reconstituição histórico-filosófica e a reconstrução teórica”, Primeiros Escritos, São Paulo, 2017, 8, pp. 8-36.

PAIVA, GUSTAVO, “A discussão acerca da possibilidade de conhecimento humano em Henrique de Gand e João Duns Escoto” in ANPOF XV. I. Filosofia Antiga e Medieval. São Paulo, ANPOF, 2013, pp. 241-258.

PAIVA, GUSTAVO, “A equivocidade do conceito de ente nas obras filosóficas de João Duns Escoto”, Em curso, Revista da Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2014, 1, pp. 35-51.

PAIVA, GUSTAVO, “A intelecção intuitiva em João Duns Escoto”, Seara Filosófica, Pelotas, 2013, 6, pp. 43-62.

PAIVA, GUSTAVO, “Aspectos da noção de causalidade em João Duns Escoto”, Sofia, Vitória, 2013, 3, 1, pp. 25-40.

PAIVA, GUSTAVO, “Duas defesas da intelecção do singular em fins do Século XIII: Mateus de Aquasparta e Vital de Furno”, Intuitio, Porto Alegre, 2013, 6, 2, pp. 113-131.

PAIVA, GUSTAVO, “Duns Escoto e a verdade nas coisas: um estudo de Questões sobre a Metafísica VI, q. 3”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 149-171.

PAIVA, GUSTAVO, “Étienne Gilson leitor de Henrique de Gand”, Revista SOFiA, Garulhos, 2014, 1,1, pp. 143-151.

PAIVA, GUSTAVO, “Por uma ética do conhecimento: Henrique de Gand e seu Sermão para a festa de Santa Catarina”, Anais do Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar, São Carlos, 2015, 11, pp. 134-150.

PAIVA, GUSTAVO, “Prudência e caridade na ética de Henrique de Gand”, Revista do Seminário dos Alunos do PPGLM/UFRJ, Rio de Janeiro, 2013, 4, pp. 121-138.

PAIVA, GUSTAVO, “Razão e fé: uma introdução brasileira a João Duns Escoto [Nota bibliográfica sobre o livro: CEZAR, R. C., Compreender Scotus. São Paulo: Loyola, 2014]”, Síntese, Belho Horizonte, 2016, 43 (135), pp. 161-173.

PAIVA, GUSTAVO, “Reflexões iniciais sobre as diversas narrativas de uma história da filosofia”, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, 2012, 19, pp. 37-59.

PAIVA, GUSTAVO, “Sobre as duas utilizações do termo ‘res’ no Quodlibet 7, q. 1-2, de Henrique de Gand”, Revista do Seminário dos Alunos do PPGLM/UFRJ, Rio de Janeiro, 2014, 5, pp. 62-78.

PAIVA, GUSTAVO, “Transcendentes ou transcendentais? Um ensaio sobre Kant e o erro dos escolásticos”, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, 2015, 20, 2, pp. 179-200.

PANACCIO, CLAUDE, “Guilherme de Ockham e a perplexidade dos platônicos”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 261-286.

PANACCIO, CLAUDE, “Mental language and predication: Ockham and Abelard”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 183-193.

PEREIRA FILHO, JOSÉ LUIZ S., “Hierarquia e transgressão nos relatos de Bernardo de Clairvaux e Othon de Freising sobre Arnaldo de Bréscia” in História e Liberdade. Anais do XX Encontro Regional de História, ANPUH/SP. Franca, 2010, pp. 1-13.

PEREIRA FILHO, JOSÉ LUIZ S., “Questões sobre hierarquia nas epistolas de Abelardo e Heloísa”, XXII Encontro Estadual de História da ANPUH-SP, Santos, 2014, pp. 1-15.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “A composição real da proposição mental ockhamiana”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 1, pp. 67-92.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “A relação entre suppositio significatio na Summa Logicae de Guilherme de Ockham”, Transformação, São Paulo, 1996, 19, 1, pp. 195-203.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “Existe uma resposta ockhamiana (ou não ockhamiana) ao ceticismo?”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 435-456.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “Mapeando argumentos no sofisma ‘omnis homo de necessitate est animal”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 11-22.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “Por que Agostinho não é um filósofo medieval (e por que é importante compreender isso)”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 213-237.

PERINI-SANTOS, ERNESTO, “Por que construir uma proposição com coisas? As razões de Gualter Burleigh em 1301”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 123-144.

PIGNATARI, ROBERTO C., “Credere et intellegere. A articulação fé-intelecção como fundamento da ascensão intelectual no De libero arbitrio”, Ética e Filosofia Política, Juíz de Fora, 2015, 18, 1, pp. 6-43.

ROBERT, AURÉLIEN, “William Crathorn on predication and mental language”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 227-258.

ROSIER-CATACH, IRÈNE, “Signification et efficacité: sur les prolongements médiévaux de la théorie augustinienne du signe”, Revue des sciences philosophiques et théologiques, Paris, 2007, XCI, 1, pp. 51-74.

SCHMIDT, ANA RIEGER, “A solução de Geraldo Odon ao paradoxo do mentiroso”, Universitas Philosophica, Bogotá, 2016, 33, pp. 303-319.

SCHMIDT, ANA RIEGER, “ens tertio adiacens de Gerardo Odon e o realismo proposicional”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 57-74.

SILVA, MARCO AURÉLIO O., “Considerações sobre o tomismo analítico”, Aquinate, Niterói, 2010, 12, pp. 78-90.

SILVA, MARCO AURÉLIO O., “Essência e reduplicação em Tomás de Aquino” in Silva, Marco Aurélio O., org., Linguagem e verdade na Filosofia Medieval. Salvador, Quarteto, 2013, pp. 111-128.

SILVA, MARCO AURÉLIO O., “Movimento e objetos geométricos em Alberto Magno”, Notae philosophicae scientiae formalis, 2014, 3, 1, pp. 23-31.

SILVA, MARCO AURÉLIO O., “Tomás de Aquino e a essência absolutamente considerada”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 95-105.

SILVA, MARCO AURÉLIO O., “Tomás de Aquino e Caetano. Ainda a teoria da abstração”, Analytica, Rio de Janeiro, 2011, 15 (1), pp. 173-204.

SILVA, PEDRO RODOLFO F., “Lei natural e seus desdobramentos no Dialogus inter philosophum, judaeum et christianum, de Pedro Abelardo”, Revista Índice, Rio de Janeiro, 2010, 2, 2, pp. 58-75.

SILVA, PEDRO RODOLFO F., “Problemas políticos decorrentes das obras éticas de Pedro Abelardo”, Anais do Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar. São Carlos, UFSCar, 2014, 10, pp. 333-340.

SILVA, PEDRO RODOLFO F., “O Scito te ipsum de Pedro Abelardo (1079-1142): apresentação de conjunto e plano geral da obra”, Ciências Humanas, Taubaté, 2009, 2, pp. 1-15.

SILVA, PEDRO RODOLFO F., “O Sumo Bem no Dialogus de Pedro Abelardo”, Trilhas Filosóficas, Caicó, 2012, 5, pp. 35-47.

SILVA FILHO, LUIZ MARCOS, “A conjunção et na definição ciceroniana de populus”, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, 2013, 21, pp. 85-96.

SILVA FILHO, LUIZ MARCOS, “Crítica à autonomia do poder político em Agostinho”, Olhar, São Carlos, 2013, 28, pp. 13-24.

SILVA FILHO, LUIZ MARCOS, “Sobre a ambivalência da política n’A cidade de Deus de Agostinho” in ANPOF XV. I. Filosofia Antiga e Medieval. São Paulo, ANPOF, 2013, pp. 343-348.

SOUSA, MELINE COSTA, “A pluralidade dos moventes imóveis e os tipos de intelecção na Metafísica Λ de Aristóteles”, Archai, Brasília / Coimbra, 2016, 16, pp. 51-67.

SOUSA, MELINE COSTA, “As definições de alma segundo o Kitāb al-nafs de Avicena: os limites de três definições em vista da sua substancialidade”, Analytica, Rio de Janeiro, 2017, 20, 1, pp. 83-110.

SOUSA, MELINE COSTA, “As faculdades imaginativa e estimativa”, Outramargem: Revista de Filosofia, Belo Horizonte, 2016, 4, 1, pp. 174-189.

SOUSA, MELINE COSTA, “Os processos de aquisição dos termos do silogismo segundo a investigação noética de Avicena”, Kriterion, Belo Horizonte, 2015, 56 (131), pp. 25-44.

STORCK, ALFREDO, “A constituição das substâncias materiais e a acidentalidade da existência. Observações acerca da ontologia e da semântica avicenianas”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2005, s. 3, 15, 2, pp. 313-342.

STORCK, ALFREDO, “A noção de indivíduo segundo santo Tomás de Aquino”, Analytica, Rio de Janeiro, 1998, 3, 2, pp. 13-53.

STORCK, ALFREDO, “Alberto Magno: metafísico e teólogo”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 145-182.

STORCK, ALFREDO, “Ars vel scientia rationalis. A natureza ambivalente da lógica segundo Tomás de Aquino”, Analytica, Rio de Janeiro, 2013, 17, 2, pp. 373-394.

STORCK, ALFREDO, “As noções primitivas da Metafísica segundo o Liber de philosophia prima de Avicena”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 2, pp. 13-41.

STORCK, ALFREDO, “Deus autem et natura nihil frustra faciunt’. Notas sobre a teleologia nos Comentários de Tomás de Aquino a Aristóteles”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2003, s. 3, 16, 1, pp. 59-83.

STORCK, ALFREDO, “Direito subjetivo e propriedade. Sobre o tomismo de Michel Villey”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 2, pp. 47-72.

STORCK, ALFREDO, “Ens rationis e a natureza da lógica segundo Avicena”, Discurso, São Paulo, 2008, 38, pp. 7-30.

STORCK, A., “Eternidade, possibilidade e indiferença: Henrique de Gand leitor de Avicena”, Analytica, Rio de Janeiro, 2005, 9, 1, pp. 137-172.

STORCK, ALFREDO, “Natureza e direito nas Institutas de Gaio”, Philósophos, Goiânia, 2011, 16, 1, pp. 13-33.

STORCK, ALFREDO, “Não contradição ou terceiro excluído? Avicena e o primeiro princípio da metafísica”, doispontos, Curitiba / São Carlos, 2010, 7, 1, pp. 171-205.

STORCK, ALFREDO, “O que é uma casa heptagonal? Nota acerca do universal aviceniano”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 11-26.

TAURISANO RICARDO R., “As provas da arte retórica: êthos, páthos, logos nas Confissões de Agostinho de Hipona”, Ética e Filosofia Política, Juíz de Fora, 2015, 18.1, pp. 129-173.

TAURISANO, RICARDO, “Retórica no De libero arbitrio de Agostinho de Hipona”, Teoliterária, São Paulo, 2011, 1, pp. 36-67.

VARGAS, WALTERSON J., “O reordenamento dos afetos pelo restabelecimento da ordo amoris em Santo Agostinho”, Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, 2015, 29, pp. 147-185.

VERZA, TADEU M., “‘Do agente deriva apenas a existência’: Avicena e a concepção comum de causa  eficiente na Metafísica VI,1”, Analytica, Rio de Janeiro, 2010, 14, 2, pp. 27-43.

VERZA, TADEU M., “O Argumento da pluralidade dos mundos no Tahafut Al Tahafut de Averróis”, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, 2003, s. 3, 16, 2, pp. 233-257.

VERZA, TADEU M., “Sobre a anterioridade de Deus com relação ao mundo no Trahafut de Averróis”, Discurso, São Paulo, 2010, 40, pp. 237-260.